O UNICEF está presente
em mais de 190 países

 

Com a contribuição de nossos doadores e parceiros, garantimos ajuda humanitária para diversos lugares do mundo, levando esperança para as crianças cujas vidas estão ameaçadas por conflitos, crises, pobreza, desigualdade e discriminação. Mais de 41 milhões de crianças vivem em países afetados por conflitos ou desastres. Constantemente, elas não possuem acesso a cuidados médicos, educação de qualidade nem proteção. Apesar de grandes avanços que muitos países vêm realizando, várias crianças estão sendo deixadas para trás por causa de gênero, raça, religião, grupo étnico ou condição física. Além disso, muitas vivem em comunidades extremamente pobres e difíceis de serem alcançadas.

Ao se tornar um Amigo da Criança você não ajuda apenas as crianças brasileiras. Uma parte da sua doação é fundamental para compor nosso fundo internacional, que chega a várias dessas crianças em situação de emergência ao redor do mundo.

 


 

Veja, abaixo, o que fizemos em 2019* com o apoio de milhares de pessoas solidárias como você.

 

saude agua nutricao educacao protecao

 

bahamas

BAHAMAS

Em setembro de 2019, o furacão Dorian de categoria 5 chegou às ilhas Ábaco e Grande Bahama, deixando um rastro de destruição, 14 mil pessoas desalojadas. Com o apoio do governo, o UNICEF adotou medidas para minimizar o impacto da tragédia na vida das crianças. Além de iniciar um processo de matrícula escolar que alcançou 10 mil crianças, o escritório do UNICEF na Jamaica destinou 120 kits de recreação a 6 mil crianças. Outras 1.200 foram transferidas para abrigos locais em Nova Providência e passaram a receber atendimento do UNICEF em serviços de proteção infantil.

venezuela

VENEZUELA

300 mil crianças venezuelanas já receberam do UNICEF kits de volta às aulas contendo cadernos, lápis, mochila e outros materiais básicos. Além de reduzir as taxas de abandono escolar no país, os kits fazem a alegria dos estudantes como a Yeiberling, 9 anos, da escola municipal Jermán Ubaldo Lira, na cidade venezuelana de Baruta.

Congo

CONGO

“É importante para mim proteger minha filha. Não quero que ela fique doente.” As palavras são de Lucie Kavira enquanto prepara Judith para ser vacinada. Mãe e filha estão em uma clínica de imunização mantida pelo UNICEF na aldeia de Kuka, na província de Kivu do Norte, na Rep. Democrática do Congo. No país que já sofreu grandes surtos de sarampo, pólio e febre amarela o governo assumiu a imunização como um compromisso universal de saúde.

uganda

UGANDA

O diagnóstico precoce do HIV em crianças menores de 18 meses é uma tecnologia inovadora que está presente em Uganda. Fruto de uma parceria entre UNICEF, Ministério da Saúde e a Clinton Health Access Initiative (CHAI), a iniciativa tem salvado vidas como a de Nuriet. Ela e a mãe fizeram o teste, foram diagnosticadas com HIV e iniciaram o tratamento no mesmo dia. “Saber dos resultados em tão pouco tempo me deixou feliz. A cada mês, minha filha fica mais forte. Tem sido incrível”, conta Kabiite, mãe de Nuriet.

mocambique

MOÇAMBIQUE

O bebê Francisco João sente a felicidade de todos e celebra a chegada dos pacotes de alimentos e remédios enviados pelo UNICEF. A luta para levar serviços essenciais a toda população e conter surtos de doenças e picos de desnutrição é constante. A passagem do Ciclone Idai devastou partes de Moçambique, Malauí e Zimbábue deixando mais de um milhão de pessoas desabrigadas. Os doadores brasileiros participaram com ajuda direta para essa emergência em especial.

iraque

IRAQUE

O conflito em Mosul, no Iraque, deixou um rastro de destruição, e as crianças estão entre a parcela da população que mais sofre com as consequências. “Todos os meus sonhos terminam quando saio de casa e vejo toda essa ruína”, diz Aysha, 11 anos. Junto com diversos parceiros, o UNICEF tem realizado esforços para reconstruir e reabilitar escolas e fornecer hospitais com incubadoras para crianças recém-nascidas.

afeganistao

AFEGANISTÃO

A imunização contra sarampo, rubéola e outras doenças foi uma preocupação constante no mundo ao longo de 2019, e o UNICEF não mediu esforços para imunizar o maior número possível de crianças. Em Kandahar, sul do Afeganistão, Freshta, sob o olhar cuidadoso da irmã Sayema, recebe da equipe móvel do UNICEF uma dose contra a poliomielite.

cazaqistao

CAZAQUISTÃO

Em conjunto com o UNICEF, a administração de saúde da região do Turquistão inaugurou, em 2019, o Centro de Recursos para Gerenciamento Integrado de Doenças da Infância. Além de desempenhar papel fundamental na implementação de um modelo universal de cuidados a mulheres grávidas e famílias com crianças, o novo Centro irá qualificar milhares de enfermeiros, médicos e assistentes sociais para Nutrição e Segurança na primeira infância. Para Inzhu, de 2 anos, o novo Centro é um mundo cheio de brinquedos e brincadeiras.

 


 

DIÁRIO DE BORDO


bruno

“Jacinto é o mais velho entre quarto irmãos que nunca haviam sido registrados, assim como mais de 70% das criança angolanas. Até que uma ação do governo local em conjunto com UNICEF e parceiros realizou um mutirão de registro civil na vila em que vivem, chamada Chipeta, no interior do país. Foi só depois de registrar os meninos que sua família pôde se inscrever num programa de transferência de renda, inédito no país, e também resultado de parceria do UNICEF com o governo. Tive a oportunidade de poder contribuir com algumas dessas ações, especialmente em programas de prevenção à violência contra criança, e isso é uma honra.”

Bruno Viécili, especialista em Comunicação do UNICEF Brasil, esteve em Angola em junho e julho de 2019.

immaculada

“O pequeno Marlon, filho de Matilde, foi a primeira criança no povoado de Molumbo vacinada na campanha emergencial contra pólio, da qual participei em janeiro do ano passado em Moçambique. Na foto, ela aparece com seus irmãos. Nós do UNICEF apoiamos o governo, mobilizando lideranças religiosas, comunitárias, radialistas para que as famílias recebessem os vacinadores. Em cinco dias, na primeira etapa da campanha, 700 mil crianças com menos de 5 anos de idade tinham que ser vacinadas. As equipes foram de casa em casa, em áreas rurais, muitas vezes remotas. Fiquei muito orgulhosa em conseguirmos chegar a cada criança, a cada família.”

Immaculada Prieto, especialista de Comunicação do UNICEF Brasil, esteve em Moçambique em janeiro e fevereiro de 2019.

Frederico

“A gente acha que sabe o que eles passam, mas a verdade é que não fazemos ideia. Mesmo. Você acha que é fome, mas aqui eu aprendi que é sobrevivência... sem sonhos, objetivos de vida. Viver para se manter de pé. Isso dói tanto...”

Frederico Brandão,
assistente de Marketing do UNICEF Brasil, esteve em Moçambique em agosto de 2019.