TODOS JUNTOS PELA
PRIMEIRA INFÂNCIA

Foco nas comunidades indígenas

Distritos sanitários

Distribuição para todos os Distritos Sanitários Indígenas de 12.000 Discos de Avaliação Nutricional (um material criado pelo UNICEF em parceria com a Secretaria Indígena de Saúde para facilitar a avaliação do estado nutricional das crianças indígenas).

O UNICEF iniciou um programa especial para garantir o direito à saúde de meninas e meninos indígenas. Nosso foco vem sendo os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs) que tiveram os piores indicadores de desnutrição e mortalidade infantil: foram realizadas oficinas sobre amamentação e alimentação saudável para crianças menores de 5 anos.

12 agentes indígenas de saúde.

Mais de 142 pais e cuidadores
de crianças indígenas alcançados.

Uma triste realidade. No Brasil, bebês indígenas têm 2,5 vezes mais risco de morrer antes de completar 1 ano do que as outras crianças brasileiras. A desnutrição infantil é um grave problema. O UNICEF trabalha para reverter esse quadro e garantir o direito à saúde de meninas e meninos indígenas.

Triste realidade

Vacinação

Com a sua ajuda, o UNICEF também apoiou campanhas nacionais de vacinação promovendo materiais disseminados em 1.200 municípios do Semiárido. Em breve, divulgará uma pesquisa nacional sobre componentes quantitativos e qualitativos para entender a diminuição da cobertura vacinal no Brasil.


Semana do Bebê

Desde 2000, a Semana do Bebê já acontece anualmente em centenas de cidades. Graças a você, estamos mobilizando milhares de pessoas todos os anos. Em 2019 foram mais de 53 mil pessoas, principalmente mães, pais e demais cuidadores. No Maranhão, as ações aconteceram, inclusive, nas comunidades quilombolas e, no Rio de Janeiro (RJ), foram realizadas ações em uma unidade prisional feminina, com o objetivo de melhorar a legislação e as normas penitenciárias, a fim de defender os direitos de crianças e pais presos.


“Quando abrir a boca,
não feche os olhos”

Estamos falando da rotulagem frontal dos alimentos com triângulos nas embalagens – algo que tem sido implementado em vários países no mundo, inclusive outros países da América Latina. Dessa forma, os consumidores, o que inclui papais e mamães, podem entender de forma fácil quais alimentos são menos ou mais saudáveis ao ver o número de triângulos estampado na frente da embalagem. Cada triângulo significa que o alimento é alto é algum nutriente crítico (que em excesso faz mal para a saúde, é claro!): açúcar, sódio e gordura saturada.

 

Comer bem e melhor, juntos

De olho na
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Para garantir o pleno desenvolvimento de crianças e adolescentes, o UNICEF acompanhou de perto e promoveu ações que discutiram alimentação saudável entre crianças, adolescentes e famílias.
Confira algumas delas:

Um grande Seminário Nacional sobre alimentação saudável para adolescentes com objetivo de lançar a publicação Comer Bem e Melhor, Juntos e discutir a aplicação dessa metodologia em nível local com representantes de dez capitais.

Capacitação de 603 gestores e profissionais para implementar essa metodologia da publicação Comer Bem e Melhor, Juntos em suas cidades, visando a uma abordagem intersetorial que inclua a temática de hábitos alimentares saudáveis em todos os serviços que abrangem adolescentes.

Parceria com o IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor) como estratégia de advocacy para aprimorar a regulamentação sobre rotulagem nutricional de alimentos, sendo uma estratégia de prevenção de obesidade por meio de informações corretas para o consumidor sobre o que ele está consumindo.

10 passos para uma alimentação saudável de crianças menores de 2 anos

O material lançado pelo UNICEF – 10 passos para uma alimentação saudável de crianças menores de 2 anos – teve mais de 120.000 downloads na internet e repercussão no maior canal de TV do Brasil. Materiais informativos foram distribuídos a 25.000 unidades básicas de saúde, para serem amplamente acessadas pela população.